4 de julho de 2014

[Resenha] - Os Três, de Sarah Lotz

Autor (a): Sarah Lotz
Editora: Arqueiro
Ano: 2014
Número de Páginas: 400
Onde Comprar? Americanas / Submarino


Quinta-Feira Negra. O dia que nunca será esquecido. O dia em que quatro aviões caem, quase no mesmo instante, em quatro pontos diferentes do mundo. Há apenas quatro sobreviventes. Três são crianças. Elas emergem dos destroços aparentemente ilesas, mas sofreram uma transformação. A quarta pessoa é Pamela May Donald, que só vive tempo suficiente para deixar um alerta em seu celular: Eles estão aqui. O menino. O menino, vigiem o menino, vigiem as pessoas mortas, ah, meu Deus, elas são tantas... Estão vindo me pegar agora. Vamos todos embora logo. Todos nós. Pastor Len, avise a eles que o menino, não é para ele... Essa mensagem irá mudar completamente o mundo.

Assim que a Arqueiro anunciou o lançamento deste livro e que era altamente indicado para os fãs de “A Passagem”, minhas expectativas foram ao máximo e além de tudo estava recomendada pelo Stephen King. Ou seja, o livro tinha tudo para me agradar. Respirei fundo e mergulhei no mistério da “Quinta-Feira Negra”.

A “Quinta-Feira Negra” é como ficou conhecida a fatalidade de quatros aviões que caíram em quatros partes diferentes do mundo. Desse acidente, apenas quatro pessoas sobreviveram. Porém, uma delas morre logo depois de deixar uma mensagem, restando apenas três crianças: Hiro, Bobby e Jess, que mais tarde viria ficar conhecido em todo mundo como “Os Três”. O que era para ser a representação de um milagre, acaba virando uma teoria lunática do fim dos tempos.

Os Três” é um livro perturbador e inquietante, devido a sua forma narrativa. É como se fosse um dossiê, onde reúne relatos sobre as vítimas, sobre os sobreviventes, entrevistas com familiares dos três e de pessoas que tiveram contato com eles, posts de blogs sensacionalistas, conversas de chats, programas de rádio e TV, etc.... Tudo que leve a desvendar este drama que a cada dia ganha mais formas de conspiração. Em muitas horas, o livro me lembrou o filme “Atividade Paranormal” onde acompanhamos um mistério de um casal através de gravações amadoras, isso faz que se sentimos parte do livro ou como se de fato aquilo tudo estivesse acontecendo.

Na verdade, é um livro dentro de um livro, pois todos esses relatos fazem parte da obra de Elspeth, uma jornalista que irá nos apresentar os fatos. A narrativa se oscila entre primeira e terceira pessoa, mas na maioria das vezes está em primeira pessoa e narrado por diversas pessoas. E a autora sobe muito bem mesclar isso sem deixar pontas soltas.

Com certeza a obra de Sarah Lotz, pode despertar vários tipos de emoção: medo, dúvida, tristeza, agonia, angústia, compaixão, é.... não são sentimentos tão bom. Porém, o que mais me incomodou durante a leitura, foi o fanatismo religioso e toda proporção que isso tomou. Me irritava e ficava indignado com as inverdades do Pastor Len, se por um lado ele acreditava nas suas teorias, por outro, ele estava preocupado consigo mesmo. 

O final é do tipo: “imagine o que quiser”. O que também não achei tão legal, prefiro fins concretos. “Os Três” para mim é um bom livro e apenas isso. Fui com muita sede, achando que encontraria algo tão grandioso como “A Passagem”, mas isso não aconteceu. De tal modo, quem for ler, vaia sem grandes expectativas e talvez, encontre um enredo espetacular.

11 comentários:

  1. Oi,

    li esse livro recentemente e, como você, comecei-o com expectativas enormes, que acabaram ficando muito, muito frustadas. Diferente de você, gostei de todo o fanatismo religioso que a autora mostrou na história, já que isso é algo que acontece muito no nosso dia a dia. Mas, sobre o final, tivemos quase a mesma opinião. Também prefiro finais concretos, apesar de que os subjetivos também me agradam, mas o final de Os Três, para mim, só pode ser definido como sem noção. O final não faz sentido algum e me odiar o resto da obra. Ótima resenha!

    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvidas, aquele final foi frustante.

      Excluir
  2. Tenho vontade de ler o livro, mas não ando vendo resenhas como eu esperava. Ao ver a capa e a sinopse do livro, pensei que se tratava de um livro que não decepcionava em nada, mas pelo visto tem suas falhas. Porém ainda quero ler, mesmo sentindo que assim como você irei ficar irritado em algumas partes. Até mais. http://realidadecaotica.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Também sou da turma que não gosta muito dos finais 'livres'. Prefiro os preto no branco, ou é uma coisa ou é outra e ponto.
    A capa deste livro é sensacional, mas já vi mesmo outras pessoas dizendo que ele é bem meia boca...talvez desse um bom filme né.

    Beijo, Van - Blog do Balaio
    balaiodelivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Já deve ser a terceira pessoa que vejo falar que esse livro não é lá essas coisas que estavam esperando. Eu até perdi o interesse na obra :(

    David - Leitor Compulsivo (www.leitorcompulsivo.com)

    ResponderExcluir
  5. Adorei sua resenha. Eu li esse livro e como foi pra você, também foi pra mim - um bom livro. Eu esperava mais dele, mas no geral, eu gostei =D

    Até mais!
    Math // de-livro-em-livro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Já li outras resenhas com ideias parecidas... Também prefiro fins concretos!
    E essa capa me dá medo!!!
    Bjs, Lu - http://resenhasdalu.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Quando fiquei sabendo do lançamento desse livro, ele logo me chamou a atenção.
    Ei li o livro e gostei bastante, quanto ao final eu também curti.

    Beijos, Paradoxo Perfeito

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele também me chamou atenção logo de início.

      Excluir
  8. Adorei sua resenha, esse livro é um que está na minha lista mas ao mesmo tempo ele fica com um ponto de interrogação. Gosto assim, resenhas positivas me animam a lê-lo

    http://penelopeetelemaco.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir